Donde el amor no entra más. 13 poemas de Marcos Siscar

Por Marcos Siscar*

Traducción por Diana Klinger y Aníbal Cristobo

Curador de la muestra Fabrício Marques

Crédito de la foto el autor

Donde el amor no entra más.

13 poemas de Marcos Siscar

Ficción de inicio

comenzar de dentro. del interior. de donde las cosas comienzan. donde terminan su elipsis vertiginosa. el interior es el fin de la partida. es el comienzo de la vuelta. salir como quien vuelve. volver como quien sale. la ficción viaje.

estar cerca de la propia cosa no está lejos del extravío. mirá las manos del adolescente sudando frío sin saber pasar las páginas de un libro.

el interior es el lugar del extravío. donde uno no se queda. ¿qué lugar es un lugar donde uno no se queda? cuando se llega al límite. el límite es interior.

del interior uno se va. como de pequeñas ciudades you know you have to leave. uno no se queda. al interior se llega. del interior se va. a donde se llega en el interior uno no se queda. arena cabra piedra y grito. pero no se queda.

el interior se traiciona se realiza. solo se realiza cuando se traiciona. el exterior de las cosas es cuando el interior se traiciona. por eso no hay exterior puro poesía pura. aquello que no se traiciona.

no hay silencio que no se traicione.

en el interior las cosas resuenan huecas. nada para ver. aquí solo se oye sonar la cosa hueca. un barco dado vuelta suena devuelto por el río debajo de la morera.

la ficción origen. la ficción precisa ser cultivada memoria aparada mentira amparada. piadosamente. vieja historia tibio engaño de la literatura.

la ficción interior es bien real. es la tierra. un suelo donde caer. tener donde caer muerto es motivo de partir.

interior. si hay que partir quiero que sea para no dejarlo. aquí todo comienza como forma de no se dejar caer. ¿quién nunca cayó de un árbol precisa seguridad? ¿quién ya se tiró de un árbol conoce el dolor de la caída?

(silencio) el silencio dice

vos no reclamás no pedís no aceptás no te quedás no retrocedés. el interior se cierra se ofrece. abrojo áspera misericordia.

La alegría de partir

Ma uno solo una mattina, senza dire niente

a nessuno, partì da vero.

(Federico Fellini, I Vitelloni)

 

uno solo

de hecho uno y solo.

esa fue la

condición de partir

la única.

de salvar o de salvarse

de enfrentarse con el hecho

de volverse narrador.

de tener la voz

y de dar la voz

a los que quisieron

partir

pero en silencio

se quedaron.

partir es un arte

de hecho y de soledad

salvarse

querer dividir el arte

de la voz.

ir viviendo

sin silencio sin quien

sabe una vida

en mil o más.

muchas

más.

Balones de colores

el terror del niño de dejar que suba el globo

suba y se pierda suba y se arrepienta.

el amor del niño ver que el globo cruce

el inexplorado subir. subir y arder

sublime sin redención. qué sería de ese niño

si en su mano el poema dejase un ramo

de globos de colores. y dejase subir

desaparecer en lo enrarecido tragadas

por los círculos. en homenaje a su

irresistible volición. qué sería

de ese niño ya lo veo. dientes tensos de alegría

ojos semiabiertos. manos en la nuca codos

prestando gracias a la desbandada confusa perdiendo

peso explotando en colores lloviendo en astillas

de arriba la tierra es una colcha de retazos cosida por los ríos

es un poema de joão cabral queriendo ser pura superficie

un conjunto de líneas de formas de tonos de consistencias

una geometría con finos márgenes asimétricos

una trama singular de anatomías inconfesadas de estuarios esquivos

remiendos de verde y marrón. de arriba la tierra

es concentrada irregular un mondrian descuidado

una promesa de volumen un interior sin cavidad.

apenas suposiciones de contornos. rutas

caminos de hacienda cursos de agua.

el poema es el punto que suspende ese tejido

que edifica en torno al vacío que da abrigo

a la urgencia de la tierra y a la posibilidad

de perderse en las encrucijadas.

Vice-versa

de aquí de dentro el extremo del mundo es una cúpula de curvas de colores.

el exterior que nos contorna es azul blanco y naranja

cuando a la tarde.

una membrana muy fina en mutación de luz de consistencia y colores.

una burbuja de jabón reflejando el caos

de un arco iris.

visto desde sus entrañas el exterior no es geométrico sino orgánico y mutante.

 

las rutas son largas los espacios medidos. de vez en cuando una nube

oscura cuneiforme pende sobre la tierra como

un cordón umbilical.

 

ya no se sabe de qué lado queda el cuerpo del mundo.

(de Interior via satélite, trad. Diana Klinger)

Libre comercio

O you who turn the wheel and look to windward,

Consider Phlebas, who was once handsome and tall as you.

(T. S. Eliot)          

la chica mexicana renunció a la muñeca. con marcas

de estrangulamiento y una incisión en la espalda.

sus pulmones suspiran ahora por la vía de otros bronquios

se abren a la vida como vejigas marchitas.

como palabras. convalecientes.

y vos que contemplás el viento. osado pirata del verbo considerá

que el soplo del estrangulado su soplo pesado

infló los alvéolos de su silencio

(de Interior via satélite, trad. Aníbal Cristobo)

Diablo triste

el diablo tiene una mirada triste donde viven

pesados devaneos hermanos de todas las cosas

mi hermano manos maltrechas de planchar

una eternidad de palabras piernas flacas

cruz de su sed irreflexiva los hombros curvos

sobre el pulmón el gesto hoguera del deseo

luces opacas en el pelo las venas secas

como fuentes donde el amor no entra más

aunque suplique no se extrae amor

no entra aire no sale no se extraen más sus ayes

y sobre el cuerpo prometido a cal y arcilla

se inmoviliza finalmente una alegría transitiva

dios es su hospital

 

Distracción

tus cabellos se curvan en las puntas

mientras me dices que sólo quieres

buscar retener exprimir gemir alegría

(¿para qué tanto cabello?)

estar aquí sería estar lejos de ti

me dijiste pero qué distancia

nos ha faltado aquí a cada hora

sino este irreparable acontecimiento

de estar vivo si estuvieras aquí

mientras te busco en aquello que de los ojos

se ve o en una inflexión del toque

mal sabía que estar lejos sería

tan definitivo tan inusitado tan adjetivo

delirio del lírico respaldo del verbo

para nuestra incontinencia afectiva

ah si supieras cuánto y cómo

estar lejos es el comienzo de estar vivo

(de Metade da arte, trad. Aníbal Cristobo)

 

 

Reversibilidad de besos

voy a viajar necesito un beso

me dices de un modo abierto

rehén de la experiencia sí no

es poco eso de querer dar sin

abrir la boca eso de querer caer

ee boca seca en el café cortado

tu carne blanca tu estómago

débil recitando sin pensar

una ocasional filosofía eso de tener

sin querer de dejarme sin

pedir al bote de un zigoto rancio

al borde de un autobús que parte nosotros

somos hermanos ambos mudos dame

voy a viajar necesito un beso

Psicoanálisis casero

hay cosas de sobra que no se dicen

hay cosas que sobran en lo que se dice

¿nuestra miseria es una alegría de palabras?

(de Tome seu café e saia, trad. Aníbal Cristobo)

 

 

Sobre pan y frutos

la cuchara gira el azúcar se eclipsa

sin razón nuevo y meticuloso repetirse

dulzura es poca tan lejos del amor por qué

volver a la tibia inflación de conciencia

acogiendo a cada día con su método

yo hago la prueba de lo inútil copista del torno

y del retorno lejos del amor me ha quedado esto

saber que tanto gesto y tanta lengua

tanto escrúpulo cultivado estará perdido

en el mismo día del descanso en otra lengua

que sin embargo me da el gusto tal vez

el amor vuelva discreto pero compuesto

con el pan y los frutos por la puerta del fondo

Jardín a la francesa

yo con mi edad sentado en un banco de plaza

mi corazón era del tamaño del mundo

hecho de su elemento de agua rumor y ornamento

dos alamedas dos fuentes escurriéndose

mi corazón era del tamaño de este mundo

ya así igual a sí mismo ya

desconociéndose

pero mi corazón no es tan perfecto como esta plaza

a veces recuerda y difícilmente

la hora exacta el retorno el tiempo

mi corazón a veces tropieza proyecta une pierna

sobre la otra

se interrumpe mudo parece

que piensa

(de Não se diz, trad. Aníbal Cristobo)

—————————————————————————————————

(poemas em su idioma original, português)

Em que o amor não entra mais.

13 poemas do Marcos Siscar

Ficção de início

começar de dentro. do interior. de onde as coisas começam. onde terminam sua elipse vertiginosa. o interior é o fim da partida. é o começo da volta. sair como quem volta. voltar como quem sai. a ficção viagem.

estar perto da própria coisa não está longe do extravio. veja as mãos do adolescente suando frio sem saber virar as páginas de um livro.

o interior é o lugar do extravio. onde não se fica. que lugar é um lugar onde não se fica? quando se chega ao limite. o limite é interior.

do interior se vai. como de pequenas cidades you know you have to leave. não se fica. no interior se chega. do interior se vai. aonde se chega no interior não se fica. areia cabra pedra e grito. mas não se fica.

o interior se trai se realiza. só se realiza quando se trai. o exterior das coisas é quando o interior se trai. por isso não há exterior puro poesia pura. aquilo que não se trai.

não há silêncio que não se traia.

no interior as coisas ressoam ocas. nada para ver. aqui só se ouve a coisa oca soar. um barco emborcado soa devolvido pelo rio debaixo da amoreira.

a ficção origem. a ficção precisa ser cultivada memória aparada mentira amparada. piedosamente. velha história morno ludíbrio da literatura.

a ficção interior é bem real. é a terra. um chão onde cair. ter onde cair morto é motivo de partir.

interior. se for pra partir quero que seja para não deixá-lo. aqui tudo começa como forma de não se deixar cair. quem nunca caiu de uma árvore precisa de segurança? quem já se jogou de uma árvore conhece a dor da queda?

(silêncio) o silêncio diz

você não reclama não pede não aceita não fica não arreda o pé. o interior se fecha se oferece. carrapicho áspera misericórdia.

El poeta Marcos Siscar

A alegria de partir

Ma uno solo una mattina, senza dire niente

a nessuno, partì da vero.

(Federico Fellini, I Vitelloni)

uno solo

de fato um e só.

essa foi a

condição de partir

a única.

de salvar ou de salvar-se

de afrontar-se com o fato

de tornar-se narrador.

de ter a voz

e dar a voz

aos que quiseram

partir

mas em silêncio

ficaram.

partir é uma arte

de fato e de solidão.

salvar-se

querer dividir a arte

da voz.

ir vivendo

sem silêncio sem quem

sabe uma vida

em mil ou mais.

muitas

mais

Balões coloridos

o terror da criança deixar a bexiga subir

subir e perder-se subir e arrepender-se.

o amor da criança ver a bexiga cruzar

o inexplorado subir. subir e arder

sublime sem redenção. o que seria dessa criança

se na sua mão o poema deixasse um buquê

de bexigas coloridas. e deixasse subir

desaparecer no rarefeito engolidas

pelos círculos. em homenagem a sua

irresistível volição. o que não seria

dessa criança já a vejo. dentes tensos de alegria

olhos semiabertos. mãos na nuca cotovelos

prestando graças à debandada confusa perdendo

peso explodindo em cores chovendo em lascas

do alto a terra é uma colcha de retalhos costurada pelos rios

é um poema de joão cabral querendo ser pura superfície

um conjunto de linhas de formas de tons de consistências

uma geometria com finas margens dissimétricas

uma trama singular de anatomias inconfessadas de estuários arredios.

remendos de verde e marrom. do alto a terra

é concentrada irregular um mondrian descuidado

uma promessa de volume um interior sem cavidade.

apenas suposições de contornos. estradas

caminhos de fazenda cursos d’água.

o poema é o ponto que suspende esse tecido

que edifica em torno o vazio que dá abrigo

à urgência da terra e à possibilidade

de perder-se nas encruzilhadas

Vice-versa

daqui de dentro o extremo do mundo é uma abóbada de curvas coloridas.

o exterior que nos contorna é azul branco e laranja

quando à tarde.

uma membrana muito fina em mutação de luz de consistência e cores.

uma bolha de sabão refletindo o caos

de um arco-íris.

visto desde suas entranhas o exterior não é geométrico mas orgânico e mutante.

as estradas são longas os espaços medidos. de vez em quando uma nuvem

escura cuneiforme pende sobre a terra como

um cordão umbilical.

já não se sabe de que lado fica o corpo do mundo.

Livre-comércio

O you who turn the wheel and look to windward,

Consider Phlebas, who was once handsome and tall as you.

(T. S. Eliot)          

a menina mexicana renunciou à boneca. com marcas

de estrangulamento e uma incisão nas costas.

seus pulmões suspiram agora pela via de outros brônquios

abrem-se para a vida como bexigas murchas.

como palavras. convalescentes.

e você que contempla o vento. ousado pirata do verbo considere

que o sopro do estrangulado seu sopro pesado

já inflou os alvéolos de seu silêncio

Diabo triste

o diabo tem um olhar triste em que moram

pesados devaneios irmãos de todas as coisas

meu irmão mãos malhadas de passar a ferro

uma eternidade de palavras pernas magras

cruz de sua sede irrefletida os ombros curvos

sobre o pulmão o gesto fogueira do desejo

luzes foscas no cabelo as veias secas

como fontes em que o amor não entra mais

por mais que suplique não se tira o amor

não entra ar não sai não se tira mais seus ais

e sobre o corpo prometido a cal e argila

se imobiliza enfim uma alegria intransitiva

deus é seu hospital

Distração

seus cabelos curvam-se nas pontas

enquanto me diz que você só quer

procurar prender espremer gemer alegria

(para que tanto cabelo?)

estar aqui seria estar longe de você

você me disse mas que distância

nos tem faltado aqui a cada hora

senão este irreparável acontecimento

de estar vivo se você estivesse aqui

enquanto o procuro no que dos olhos

se vê ou numa inflexão do toque 

mal sabia que estar longe seria

tão definitivo tão inusitado tão adjetivo

delírio do lírico respaldo de verbo

para a nossa incontinência afetiva

ah se você soubesse o quanto e como

estar longe é o começo de estar vivo

Reversibilidade de beijos

vou viajar preciso de um beijo

você me diz de um jeito largo

refém da experiência sim já não

é pouco isso de querer dar sem

abrir a boca isso de querer cair

de boca seca no café pingado

sua carne branca seu estômago

fraco recitando sem pensar

uma ocasional filosofia isso de ter

sem querer de me deixar sem

pedir à beira de um zigoto mofo

à beira de um bonde de partir nós

somos irmãos ambos mudos me dê

vou viajar preciso de um beijo

Psicanálise caseira

há coisas de sobra que não se dizem

há coisas que sobram no que se diz

nossa miséria é uma alegria de palavras?

Sobre pão e frutos

a colher volteia o açúcar se eclipsa

sem razão novo e meticuloso repetir-se

doçura é pouca tão longe do amor por que

voltar à morna inflação de consciência

acolhendo cada dia com seu método

eu faço a prova do inútil copista do torno

e do retorno longe do amor sobrou-me isto

saber que tanto gesto e tanta língua

tanto escrúpulo cultivado estará perdido

no mesmo dia do descanso em outra língua

que no entanto me faz o gosto talvez

o amor volte discreto mas composto

com o pão e com os frutos pela porta dos fundos   

Jardim à francesa

 

eu com minha idade sentado num banco de praça

meu coração era do tamanho do mundo

feito do seu elemento de água rumor e ornamento

duas alamedas duas fontes se escorrendo

meu coração era do tamanho deste mundo

ora assim igual a si mesmo ora se

desconhecendo

mas meu coração é menos perfeito do que esta praça

às vezes se lembra e dificilmente

da hora exata do retorno do tempo

meu coração às vezes tropeça projeta uma perna

sobre a outra

se interrompe mudo parece

que pensa

*(São Paulo-Brasil, 1964). Poeta, ensayista y traductor. Profesor de la Universidad Estatal de Campinas (Brasil). Ha publicado em poesía O roubo do silêncio (2006), Manual de flutuação para amadores (2015) e Isto não é um documentário (2919), entre otros. Algunos de sus libros traducidos al español son No se dice (2003, trad. Aníbal Cristobo), La mitad del arte (2014, trad. Aníbal Cristobo), Interior vía satélite (2014, trad. Diana Klinger) y Poesía y Crisis: Ensayos sobre la «crisis de la poesía» como topos de la modernidad (2019, trad. Luciana di Leone).

—————-

*(São Paulo-Brasil, 1964). Poeta, ensaísta e tradutor. Professor da Universidade Estadual de Campinas. Publicou O roubo do silêncio (2006), Manual de flutuação para amadores (2015) e Isto não é um documentário (2919), entre outros livros de poemas. Alguns de seus livros foram traduzidos e publicados em língua espanhola: No se dice (2003, trad. Aníbal Cristobo), La mitad del arte (2014, trad. Aníbal Cristobo), Interior vía satélite (2014, trad. Diana Klinger) e Poesía y Crisis: Ensayos sobre la «crisis de la poesía» como topos de la modernidad (2019, trad. Luciana di Leone).

A %d blogueros les gusta esto: